Casa dos Contos Eróticos


Click to Download this video!

boy in pink (01)

Um conto erótico de Uke_Putinhaa
Categoria: Homossexual
Data: 11/10/2018 09:32:08
Nota 10.00

O garoto vestido de rosa fazia designe e pintura. Havia feito transferência de uma faculdade no norte da Inglaterra, em Liverpool. Ele se mudou para New York porque foi aceito da UAL. Morava com Law, que ele havia conhecido em Leeds, no festival de música.

Eu só sabia disso tudo, é claro, porque Kid era um grande stalker.

-E quantos anos ele tem mesmo? - perguntei.

-Acabou de fazer dezoito - Kid respondeu olhando o celular. Ele havia conseguido todas aquelas informações a partir de uma garota que ouvira o garoto conversando com Law.

Tamborilei os dedos no violão do Kid. Ele ergueu os olhos e tomou o violão da minha mão.

-Já disse para não fazer isso. Estraga o violão - ele pediu com paciência. - Cara, nós realmente temos que esperar o Sanji? Você sabe que ele demora para sair da aula.

-Olhe, eu pago seu almoço se você parar de reclamar - grunhi para Kid. - Ei, qual é a turma do garoto?

-Hmm, acho que é a última turma, a mesma do... Oh - Kid se tocou do que estava dizendo e piscou. - Ele deve estar na turma do Sanji!

-Siiiim, ele deve. Vamos até lá - pedi já me colocando de pé. Kid grunhiu e se ergueu também. Ele resmungava sobre eu ser muito hiperativo por não estar fazendo sexo o suficiente. -Ei, isso é possível?

Kid me encarou.

-O que? Ficar agitado e idiota por não fazer sexo? É possível sim - ele disse de forma séria. - Não vê o Sanji, por exemplo? Ele está sempre calmo e quieto. Porque ele faz sexo quase todos os dias.

Kid revirou os olhos como se fosse óbvio. Abri a boca para contesta-lo mas logo em seguida ele bateu em meu braço.

-Olha quem vem ali.

Procurei pelo patio quem Kid apontava e engasguei com o ar. Sanji vinha conversando tranquilamente ccomLaw e o garoto vestido de rosa.

Sanji sorriu abertamente quando chegou até Kid e eu.

-Olá, rapazes. Esses aqui são Law e Luffy - ele disse olhando diretamente para mim sem disfarçar o riso.

-Luffy é da minha turma de desenho digital - Sanji disse de forma inocente. - E adivinha, Zoro. Ele está indo agora para a turma de desenho manual.

Pisquei para Sanji. Virei-me para Luffy.

-Qual sua turma de desenho manual? - perguntei. Ele era ainda mais bonito de perto com aquela boca carnuda sendo mordida por timidez.

-Era a 53, mas Sanji disse que a 24 é melhor, então conseguiu me mudar para lá - Luffy disse com um sorriso contente.

Ergui uma sobrancelha para Sanji.

-Então Luffy é da minha sala de desenho manual.

Kid riu pelo nariz e Law, que até então estava absorto no próprio celular, ergueu os olhos.

-Qual a graça?

-Confidencias. Então bro, você vai para a aula agora? - Sanji perguntou pro Law que concordou. Os dois se despediram; Law ainda no celular não notou quando Sanji se virou e me mandou uma piscadela.

Respirei fundo. Kid havia ido embora e Luffy estava parado me olhando.

-Você vai para a aula agora?

-Claro - concordei.

Indiquei o prédio onde aconteceria a aula de desenho manual e começamos a andar para lá. Luffy andava rápido e, fiquei ligeiramente mais quente quando percebi isso, tinha um rebolado suave. Abri a porta do prédio para ele e sorri de volta quando ele passou.

A sala de desenho manual era minha preferida. Nós escolhíamos quem seria nossa dupla durante o semestre e ocupávamos aquelas mesas como desejávamos.

Jewelry Bonney sorriu para mim e eu retribui com uma piscada de olho. Nós havíamos transado naquelas mesas ano passado. Sentei-me em uma das mesas no final da sala. Luffy parou no meio do caminho para pegar algo na mochila; observei o movimento de suas mãos aqui e ali.

Ele tinha mãos bonitas.

-Ei, Zori! - alguém me chamou. Virei-me para trás.

Bellamy me deu um daqueles sorrisinhos cheios de ironia.

-Ah, é você. Achei que fosse gente me chamando - resmunguei e voltei a virar para frente.

-Ei, qual é. Vamos aderir aquela coisa de semestre novo, sem inimizade - ele disse. - Vamos tentar não fazer a sala inteira esperar por um bate boca nosso.

Fiz um barulho de nojo.

-A menção de boca numa frase que contenha eu e você me deixa com nojo - foi tudo que respondi. - Ei, Luffy! Anda logo.

Luffy pareceu assustado quando o chamei e veio correndo se sentar comigo. Ele se sentou na cadeira do canto, perto da parede. Sorri para mim mesmo ao notar que não dava para ver nem as minhas mãos, nem as pernas dele com aquela mesa/balcão enorme na frente.

Ah, as possibilidades.

-Achei que você fosse fazer dupla com outra pessoa - Luffy murmurou para mim. Virei-me para olha-lo. - Q-quer dizer, você já conhece muita gente daqui, não é?

Concordei com a cabeça; apoiei meu rosto em uma das mãos.

-Já conheço os desenhos da maioria das pessoas daqui. Ainda não achei nenhum parceiro que... Seja o que eu procuro - cantarolei esperando que ele entendesse o duplo sentido. Mas é claro que ele não entendeu.

Olhei bem para Luffy. Ele estava tagarelando sobre o curso da faculdade antiga todo animado. Sendo sincero ele nem parecia saber o que era sexo. Ele parecia um daqueles anjinhos que se vê pintados nos tetos de igrejas. Ri com o pensamento.

A professora, Sra. Hina, chegou logo depois. Estava toda animada e com um monte de papeis, pinceis e lápis nas mãos. Ela era uma mulher divertida, do tipo que ouve rock clássico enquanto cozinha e tem coleção de vinil em casa. Eu sabia disso porque já tinha estado na casa dela dezenas de vezes, mas não pelo motivo que achavam.

Eu era ruim com desenho manual e ela, gentilmente, me dava aulas particulares.

Luffy tirou o caderno de desenho da mochila. Era rosa bebê. Ergui uma sobrancelha.

-Você gosta de rosa, não é?

Ele deu um sorriso tímido.

-É minha cor preferida - ele disse.

Suspirei imaginando-o em uma daquelas mini-saias de colegial rosa. Cruzei as pernas para disfarçar a semi-ereção.

Seria um semestre complicado.

-Luffy devagar! - pedi alto enquanto ele corria escada abaixo puxando-me pela manga da blusa.

Ele era como uma criança; uma criança muito gostosa e superativa. Luffy era curioso, muito curioso, sempre perguntando sobre as coisas. Ele estava encantado com a faculdade e agora estava me implorando para leva-lo para ver a cidade.

-Luffy, espere ai - pedi segurando-o pelos braços. Estávamos muito perto um do outro. Eu podia ver seu rosto com perfeição. - Por que você está tão ansioso para ver New York? Não tem nada demais aqui.

-É claro que tem! - ele exclamou. - Zoro, é New York!

Ergui as sobrancelhas.

-Você nunca veio New York? Nem para conhecer a faculdade antes de se mudar? Fazer a inscrição?

Ele negou.

-Eu não saía muito... - ele respondeu olhando meus sapatos.

Suspirei alto e o levei até o fundo do prédio onde estávamos. Havia uma lata de lixo só para cigarros ali.

-Você não fuma, imagino - murmurei quando puxei meu maço de cigarros do bolso. Luffy fez cara de nojo.

-Não fumo.

-Hmm... - murmurei ao ascender e tragar. Encostei a cabeça na parede de tijolos. - Okay, agora me conte como foi que você veio parar aqui já que nunca nem veio em New York.

Luffy corou. Sentava de pernas cruzadas no banquinho de madeira branca. Meus olhos correram suas pernas e acabaram em seu rosto. Tinha uma expressão meio chateada.

-Lá onde eu morava gostavam dos meus desenhos - Luffy respondeu em voz baixa. - Então me inscreveram aqui. A faculdade me aceitou e fiz a transferência.

-Você já cursava desenho em Liverpool? - perguntei.

-Não.

Grunhi para ele.

-Você vai mesmo me esperar perguntar?

-Ah, desculpe. Eu cursava direito.

Eu estava chocado.

-Direito? Você não tem cara de que gosta de direito. -falei me sentando ao seu lado. O cigarro em minha mão estava pela metade.

-Eu não gostava. Odiava.

-Hmm... - murmurei de novo. Luffy olhava fixamente para mim enquanto eu fumava. - E por que começou o curso se odiava?

Ele não respondeu de imediato. Ficou olhando os próprios sapatos, mexendo o pé, passando a mão em uma pulseira que usava. Tentei não parecer impaciente.

-Luffy, eu gosto de receber respostas para as perguntas que faço - eu disse.

Ele ergueu os olhos.

-Era o que queriam que eu fizesse - ele respondeu por fim, de forma triste.

Franzi a testa para a resposta dele. Não era uma resposta incomum. Eu conhecia um monte de gente que fazia coisas porque era o que os pais queria. Tipo medicina, engenharia, música, direito. Mas o jeito que ele falou? Não tinha sentido naquela resposta... Parecia desolada. Ele parecia desolado.

Observei sua expressão meio chateada enquanto acabava o cigarro.

-Ei, babyboy.

Luffy piscou os olhos para mim. Corou.

-Você gosta de sorvete? - foi a única coisa que pude pensar em oferecer-lhe. O que mais deixa pessoas feliz?

Enquanto levantávamos e íamos em direção ao pátio para procurar Law e Sanji pensei em um monte de coisas para deixar pessoas felizes. Pra mim bastava ser obedecido e sexo. Pra Sanji dinheiro, notas boas e muito sexo. Pra Kid... Bom, o irlandês era fácil de fazer feliz. Bastava sorte, música e sair para qualquer lugar.

Comprei um sorvete para Luffy no meio do caminho. Ele ficou mais feliz e tagarela de novo.

Eu não fiquei encarando sua boca enquanto ele chupava o sorvete.

Só um pouquinho.

Nos sentamos em uma mesinha da sorveteria da faculdade e esperamos. Mandei mensagens para Kid e Sanji avisando que estava ali com Luffy.

Luffy já estava quase acabando o sorvete quando uma garota da turma de música apareceu com vários papeis rosa-choque nas mãos.

-Oi Zoro! Oi Luffy! - ela cumprimentou animada. - Aqui, para vocês. É a festa de boas-vindas da Nami e Robin, da turma de música. Espero que vocês possam ir! - ela nos deu um dos papeis.

BEM-VINDOS DE VOLTA

ÁS NOVE DA NOITE NA REPUBLICA DA MANSÃO AZUL

ESPERAMOS POR VOCÊS!

Sorri para o papel e entreguei a Luffy para ler. Era uma festa da Robin e da Nami. As duas eram famosas por fazerem festas incríveis, cantarem bem e serem as "bandeiras" bissexuais da faculdade.

-E ai, o que você acha? - perguntei despreocupadamente a o Luffy.

Ele ergueu os olhos do papel.

-De que?

-Da festa. Você vai?

Luffy corou. Meneou a cabeça.

-Nunca fui a uma festa antes - ele disse.

Ergui as sobrancelhas.

-Acho que você nunca fez um monte de coisas antes, não é? - perguntei com um sorriso malicioso.

Ele concordou.

-Provavelmente. Você vai a festa?

-Só perderia essa se alguém me pagasse - respondi rindo.

-RAPAZES! - Kid gritou animado ao chegar. Luffy estava no meio de uma frase, mas se calou. Law e Sanji vinham logo atrás do Kid conversando sobre video-games. - Caras, Nami e a Robi estão fazendo uma festa do caralho.

Luffy ergueu as sobrancelhas e tirou a mochila de uma das cadeiras para Kid sentar. Sanji sentou no colo dele.

-Pare de xingar, bro. Temos um anjinho aqui - ele disse com aquela vozinha calma, pegando no Cabelo do Luffy.

Me estiquei para tirar a mão dele do cabelo do Luffy. Kid gargalhou e Law riu baixinho.

-Vai bagunçar o cabelo dele... - disfarcei. - Ei, por que você chamou Robin de Robi?

Kid, que ainda ria, se virou para mim.

-É tipo, o nome artístico dela. Ela criou um canal no youtube pra covers e tudo - ele respondeu sonhador. Robin/Robi era algo como a paixãozinha secreta - mas nem tão secreta assim - do Kid. - Ela está muito animada pra essa festa. Nós vamos, não é? Digam que sim, rapazes.

-Eu topo - Law respondeu com a voz rouca, desviando os olhos do celular. - Luffy, você vai, não é?

Luffy torceu a boca.

-Não sei se é uma boa ideia... - ele murmurou.

-Ah, qual é Luffyzinho - Kid fez uma voz fofa, fazendo-nos rir.

Mordi a língua para não comentar sobre o apelido.

-Vem com a gente, cara. Vai ser legal - Kid pediu.

-É, você está aqui para se divertir, Luffy - Law disse cutucando-o nas costelas. Luffy deu uma risadinha e olhou para mim.

-Se eu fosse você, viria.

Ele concordou.

-Yee! - Sanji comemorou abraçando Kid. - Essa noite vai ser histórica. Eu mal posso esperar.

-Então nós nos vemos mais tarde, okay? Eu e Luffy temos um pequeno compromisso agora - Law disse animado quando se levantou, puxando Luffy junto. - Até mais tarde!

-Tchau... - Luffy se despediu. Acompanhei-os com o olhar até que foram embora.

Kid me cutucou.

-Quer um balde?

-Vá a merda - retruquei. Sanji riu.

-E ai, você e ele? - ele perguntou. Kid concordou com interesse.

Inclinei-me na mesa com os braços cruzados em cima e tamborilei os dedos.

-Eu quero ele.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
11/10/2018 14:02:25
Gostei continua




Online porn video at mobile phone


irmas safadas relatosnovinha de baby doll tremendo para fogãosedusundo indiscretamenteVideos de sexo brasileiro Eloisa de osasco da o cuzinho gritandonudismome homem olhando pau do meninocontos eróticos peguei minha mulher e me vingueiDona de casa e o garoto pirocudo ,contosviu a fofinha dormindo pelada e arrombou ela pornocorno fendo sua nulher sedo sua mulher fiolentado po negrovendeos Ian pega sogra nua no quartofilho chupa mae dormindo vifeo gratiscontoPadre negro pega Branquinha Magrinha efaz ela Peida No Pau Enormecontos eróticos brincando cometi o incestofilho fodir mae bebada goza dentro pornox.video novinha com 7negaogarota q foi fudida no fundo d casa por um cachorro pastor alemaomulhet com pomba gira gozando na picaconto. andando de moto taxi. comi o cu de uma menina rabudavideos porno foi sem quere fiquei essitado sarrei na maeXsvideos exibindo o pau pras mulheres mo metrofoi tirar foto e acabou impolgando pornoxvideos comendo a mulhersinnacasa do conto meu irmao me encoxouwww xvideos.mulher.de.che.o.marido.dorme.tra.fode.cunhadopornomuhe gozando com pau inorme decavalocontos dei para meu cunhado marido da minha irmãcalcinha rendada minha mãe que me iniciouContos eróticos procurando aventura no clube de campoeu quero ver uma mulher virgem sendo e******** pelo seu cunhado ela topadacontos a punheteira do papaitrote na faculdade novinha forçada a vhupar ate gozarconto porno submissa humilhaçaoblog contos eroticos fui corno na despedida de solteiraa mulher tava a fazer um 69 e meteu um dedo no cu e adorei muito e ela tbm gostou contosconto erotico gay o policial e o garoto marrento #14GeoMatheus -Votos |zdorovsreda.ruSo Uma Boquete Contos Eroticossogragosadapai picudo comendo filha em Belémvídeo caseiro com mamãezinha só de casa dela com os peitinho duroconto erótico gay com o Batorécasa dos contos ecomo tornei gaygay aprumando o pau no cu e sentando gostosocarioca dando buceta peluda pros dois marmanjos e gemendo alto pornodoidoxvideo caiu na net, na maradinhoscontomorenaboa1metro debtro do cuvideo porno butei no cu dela e rla gritpu dizedno que ia cagarsó bucetinha novinha na ommmmmmae lavano vasilha e estrupada po filhomae dano a buceta para o finho sem. trapaiasaourologista conto gaycorno quecomedoSou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhax pono de bundas arotando galavideo de porno mulir ipinadihatia pasa de camisola perto do sobrinho e ele fica com tesaoVideos de sexo sogras peitos muchosConto erotico era tao apertadacomendo a irma xvideo a prostei ca minha irma contos eróticos roçando meu cacetao por cima fa bucetinha da irmanzinharelato eróticos trote calourosxchamster novinha da o cu ejacula pela bucetaboa noite cinderela contos eróticostopou na buceta qi ela bufouxvideos cabeça esponjosaxvideo de porno de quato agaradinho por trascoxando disfarsadamente e rabuda deixandoporno. mineiro. mae. e. filho. trezeno. escomdido. do. paivideo de homemmorde vaginaWm vaipati toma nocucache:http://zdorovsreda.ru/perfil/117617tio fudendo a supria de mini saiaevangélica Sáfadinha mostrando a bucetavizinha gostaza fodendo muito com o marido me chamarao pra chupar ela na cama deles